Duas pessoas morrem em Itaberaba após serem arrastadas por água da chuva

A chuva registrada no último sábado (27), na cidade de Itaberaba, a 280 quilômetros de Salvador, deixou dois mortos e famílias desabrigadas no município. A prefeitura ainda não contabilizou a quantidade de famílias desabrigadas. A região ainda está sob alerta laranja de chuvas intensas e ventos fortes, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia. Segundo informações da prefeitura, o volume registrado de chuva foi de 130mm.

Segundo a prefeitura, testemunhas relataram que a água invadiu casas na Travessa João Aguiar e Silva, no bairro Barro Vermelho. Ao sair para buscar ajuda, uma laje desabou e Iara Carneiro Silva, de aproximadamente 40 anos, foi levada pelas águas. Um vizinho, identificado como Antônio Martins Silva de Santana, de 45 anos, tentou socorrê-la, mas, devido a correnteza, ambos foram arrastados por um rio de lama e detritos. 

Iara Carneiro era servidora pública e trabalhava na educação do município, o homem que tentou ajudar, Antônio Martins, era pedreiro. A Polícia Militar isolou o local, que ainda oferece risco de desabamento. As famílias desabrigadas foram encaminhadas para pousadas locais, porque o Ginásio Municipal também está alagado.

Segundo a prefeitura, a Secretaria de Ação Social e a de Infraestrutura, estão nas ruas fazendo o levantamento dos casos graves e realizando ações de emergências. A Superintendência de Proteção e Defesa Civil do estado já está no local para tomar as devidas providências. Uma nota de pesar pelos falecimentos foi divulgada nas redes sociais da prefeitura. “Neste momento de dor, o governo municipal se solidariza com as família, os amigos, e colegas de trabalho das vítimas e manifesta profundo pesar”, diz a nota.

Tátila Sampaio tinha acabado de chegar em casa quando conversou com a reportagem. Antes, ela estava prestando ajuda à tia Marilu Souza, moradora do bairro São João, que teve a casa alagada. Tátila conta que a tempestade, com trovões e raios, começou por volta das 23h00 e que se estendeu ao longo de toda a madrugada. Como reside no Centro, a jovem diz que não teve a residência atingida, diferente de outros membros da família. 

“Entrou bastante água na casa dela, foi um estrago significativo. Ela perdeu alguns móveis, como sofá, guarda roupa, livros, foi uma situação bem complicada”, conta Tátila. Quando ela chegou na casa, o nível da água já tinha diminuído, mas os rastros da enxurrada estavam presentes, principalmente na grande quantidade de lama que ficou nos cômodos.

Sua tia, Marilu Souza, tem 65 anos e mora com o marido há cerca de 20 anos no mesmo local, esta foi a primeira vez que a água atingiu a casa dessa forma. Tia e sobrinha passaram o dia limpando a residência e conferindo os estragos.

No dia 11 de novembro, o município já tinha decretado situação de emergência por conta das fortes chuvas. Na ocasião, Itaberaba registrou em apenas dois dias, o volume de 300 milímetros, quantidade que era esperada para todo o mês. O temporal levou muros, árvores, alagou casas e, como desta vez, também desabrigou famílias.

Fonte: Correio 24h, com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

Recôncavo Web TV, inscreva-se!

Facebook
WhatsApp