Bahia registra 580 novos casos de Covid e 5 óbitos pela doença nesta quinta-feira (09)

A Bahia registrou nas últimas 24 horas, 580 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,05%) e 517 recuperados (+0,04%). O boletim epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (Sesab) divulgado nesta quinta-feira (9) contabiliza também 5 novos óbitos.

Dos 1.264.804 casos confirmados desde o início da pandemia, 1.234.405 já são considerados recuperados, 3.029 encontram-se ativos e 27.730 tiveram óbito confirmado. A pasta ressalta ainda que os dados podem sofrer alterações devido à instabilidade do sistema do Ministério da Saúde. A base ministerial tem, eventualmente, disponibilizado informações inconsistentes ou incompletas.

Vacinação

Por conta de uma atualização no sistema de envio de dados da vacinação, nem todos os 417 municípios baianos fizeram o carregamento das informações relativas ao público vacinado. Até o dia 21 de novembro, 10.952.306 de pessoas tinham sido vacinadas contra o coronavírus (Covid-19) com a primeira dose. Esse dado representa 86,02% da população com 12 anos ou mais, estimada em 12.732.254.

Estudo

Um estudo do Ministério da Saúde divulgado nesta quinta-feira (9) apontou que a Pfizer é mais eficaz como dose de reforço para quem tomou Coronavac.

O estudo já concluiu que a dose de reforço feita com esquema heterólogo, usando uma vacina diferente da já recebida no primeiro ciclo, aumenta a imunidade dos vacinados.

Das quatro vacinas testadas em pessoas que tomaram a Coronavac, a da Pfizer/BioNTech foi a que mais funcionou, conferindo proteção maior aos que receberam a dose.

Depois dela vieram a de Oxford/AstraZeneca, produzida no Brasil pela Fiocruz, a da Janssen (Johnson & Johnson), e por último a Coronavac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.

Ou seja, as quatro vacinas funcionaram para aumentar a imunidade das pessoas quando aplicadas como dose de reforço -mas vacinas diferentes mostraram uma maior eficiência no caso de pessoas que já tinham tomado a Coronavac.

Estudo

Um estudo do Ministério da Saúde divulgado nesta quinta-feira (9) apontou que a Pfizer é mais eficaz como dose de reforço para quem tomou Coronavac.

O estudo já concluiu que a dose de reforço feita com esquema heterólogo, usando uma vacina diferente da já recebida no primeiro ciclo, aumenta a imunidade dos vacinados.

Das quatro vacinas testadas em pessoas que tomaram a Coronavac, a da Pfizer/BioNTech foi a que mais funcionou, conferindo proteção maior aos que receberam a dose.

Depois dela vieram a de Oxford/AstraZeneca, produzida no Brasil pela Fiocruz, a da Janssen (Johnson & Johnson), e por último a Coronavac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.

Ou seja, as quatro vacinas funcionaram para aumentar a imunidade das pessoas quando aplicadas como dose de reforço -mas vacinas diferentes mostraram uma maior eficiência no caso de pessoas que já tinham tomado a Coronavac.

Fonte: BNews

Facebook
WhatsApp