Guaidó deveria ser preso e Maduro é um democrata, diz Lula em entrevista

ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu o ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, e atacou Juan Guaidó, líder da oposição que se proclamou presidente interino do país.

“A Europa e os Estados Unidos não poderiam ter reconhecido um farsante que se autoproclamou presidente [Guaidó]. Não é correto, porque se a moda pega a democracia é jogada no lixo e qualquer picareta pode se autoproclamar presidente, sabe. Eu poderia agora me autoproclamar presidente do Brasil, sabe, mas e a democracia, onde vai?”, questionou Lula, em entrevista ao UOL, realizada em 21 de fevereiro, em São Paulo, e publicada nesta semana.

O ex-presidente realiza uma viagem pela Europa. Na segunda (3), foi homenageado em Paris com o título de cidadão parisiense pela prefeita socialista Anne Hidalgo. Ele deve passar também por Suíça e Alemanha.

“Quem está tomando a iniciativa de conversar é o Maduro, não é o Guaidó. O Guaidó gostaria, na verdade, até tentou forçar, que os americanos invadissem a Venezuela. Ele deveria ter sido preso, e o Maduro foi tão democrático e não prendeu quando ele foi para a Colômbia tentar instigar a invasão da Venezuela”, prosseguiu o ex-presidente.

Em abril de 2019, Guaidó tentou liderar a entrada de ajuda humanitária estrangeira na Venezuela, que foi barrada pelo governo Maduro. O líder da oposição não conseguiu furar o bloqueio militar, e a operação acabou frustrada.

Guaidó é reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, incluindo o Brasil, mas até hoje não conseguiu assumir o governo nem realizar ações efetivas.

Questionado se Maduro era um democrata, Lula respondeu que o ditador foi eleito democraticamente. “Se ele tá fazendo um bom governo ou não, são outros 500. Agora, você não dá golpe em todos os países que não estão bem.”

“Não dá para gente fazer crítica ao Maduro e não fazer crítica ao bloqueio. O bloqueio não ataca soldado, não mata culpado, o bloqueio mata inocentes”, afirmou, em referência às sanções econômicas aplicadas pelos EUA ao país.

Para o ex-presidente, a melhor saída para a crise na Venezuela é dialogar com Maduro.

“Se a Michele Bachelet fez uma reunião com o Maduro e descobriu que tem [repressão à oposição], ela tem o direito e a obrigação de criar uma comissão na ONU. Ela pode convocar chefes de Estado, pedir uma reunião com o Maduro, convidar o Maduro na ONU e discutir. Na minha experiência de política, desde movimento sindical, não tem jeito de você estabelecer um acordo se ele não for em torno de uma mesa com as pessoas que pensam a favor e ao contrário.”

Lula também defendeu Evo Morales, ex-presidente da Bolívia que renunciou sob pressão dos militares em outubro, após tentar um quarto mandato em uma eleição cuja apuração teve denúncia de fraude.

Questionado sobre os problemas da eleição, Lula deu exemplos de outros países. “A do George Bush não foi complicada contra o Al Gore? Foi complicada, o Bush tomou posse e governou oito anos. A do Trump não foi complicada? Foi complicada, ele tomou posse. A do Bolsonaro não foi complicada? Todo mundo sabe a farsa do fake News.”

O petista discorreu ainda sobre a migração de estrangeiros pobres rumo à Europa.

“É um assunto muito difícil para esquerda e muito fácil para a direita. A esquerda fica tentando te explicar, não, porque é preciso deixar entrar aqui o cara não sei das contas, tal. A direita é direta, não vai entrar porque nós queremos empregos para os italianos, para os suíços, porque nós queremos emprego. Então, marginaliza o coitado do pobre enquanto o capital não tem nem passaporte, o capital é livre para transitar os atlânticos, os espaços aéreos sem ninguém pedir licença”.

Lula afirmou também que o aumento da defesa do Estado mínimo mostra que a esquerda perdeu seu discurso e que precisa reconstruí-lo. “Por isso, estou botando a questão da desigualdade.

Fonte: BNews

Compartilhe

Copyright © Recôncavo Notícias - Jornalismo com Seriedade e Profissionalismo
Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com