Vitória da Suíça aumenta a dificuldade do terceiro jogo do Brasil

A seleção brasileira já se deu ao luxo de poupar jogadores no terceiro jogo da primeira fase. Em 1990, o técnico Sebastião Lazaroni escalou Romário, recém-recuperado de uma fratura, contra a Escócia — quando percebeu que o Baixinho não tinha condições de estar naquela Copa. Em 2002, Luiz Felipe Scolari poupou titulares na goleada sobre a Costa Rica. Em 2006, até o goleiro reserva, Rogério Ceni, teve a oportunidade de entrar em campo contra o Japão. Finalmente, em 2010, Dunga poupou Kaká e Robinho no insosso empate com Portugal. Agora, Tite não poderá fazer o mesmo. A vitória da Suíça sobre a Sérvia, por 2 a 1, não deixou um cenário confortável para o Brasil.

Com três pontos no Grupo E e saldo de gols zerado, a Sérvia só se classifica vencendo o Brasil, que tem quatro e saldo positivo, assim como a Suíça. Portanto, não haverá jogo de ataque contra defesa, como foi contra a Costa Rica. E os sérvios têm ferramentas para ameaçar a zaga brasileira, sobretudo o talento do meia Tadic, que com sua perna esquerda persegue a cabeça do centroavante Mitrovic — foi assim que saiu o gol sobre os helvéticos, aos cinco minutos do primeiro tempo.

Fonte: veja.com

Compartilhe

Copyright © Recôncavo Notícias - Jornalismo com Profissionalismo