Salvador: Cliente é presa após se recusar a ser atendida por negros na Pituba

Uma mulher aparentando ter cerca de 60 anos foi presa, na tarde deste sábado (6), em uma delicatessen do bairro da Pituba, em Salvador, após se recusar a ser atendida por dois funcionários do estabelecimento, que são negros. A agressora e as vítimas foram ouvidas no início da noite. Ela segue custodiada na Central de Flagrantes da Polícia Civil.

O fato aconteceu na delicatessen Bonjour, na Rua São Paulo. A cliente se recusou a ser atendida pelos funcionários Daniel Pereira da Silva, 23 anos, e Ubiratan Santos Souza, 22. Daniel, que trabalha no restaurante há 3 anos, diz que o fato se repetiu algumas vezes ao longo dos últimos seis meses.

“Nunca tratamos ela de forma diferente, ela dizia que não queria ser atendida por ‘pretos’, não queria que tocássemos nos talheres dela. Me senti realmente humilhado pois acho que nenhum ser humano deve ser tratado dessa maneira”, afirmou.

Ubiratan relatou que a cliente só aceitava ser atendida por pessoas de pele clara e ignorava qualquer tentativa de assistência por negros. “Sempre que nos aproximávamos, ela virava as costas, fazia de conta que não tinha ninguém ali falando com ela. Se um colega de cor mais clara se aproximasse, ela aceitava o atendimento. Dessa vez foi necessário uma outra cliente se revoltar com a atitude dela para que a polícia fosse chamada”, lembrou.

O chamado policial foi atendido por um grupamento que precisou conter a fuga da agressora, e durante a tentativa de condução à delegacia, um sargento da PM, que preferiu não se identificar, foi ignorado por ser negro.

“Todas as vezes que tentava conversar, ela subia o vidro do carro, daí quando um colega de pele clara se aproximava e fazia uma tentativa de diálogo, ela aceitava”, relatou o PM.

Gerente da delicatessen, Paulo Sérgio reforçou que a cliente já havia destratado funcionários do local em ao menos outras duas ocasiões, com comentários considerados preconceituosos, mas desta vez passou dos limites. Foi ele que chamou a polícia depois que a outra cliente se irritou com o comportamento da mulher.

“Ela falou para os funcionários que não era para encostar nela. Disse que não queria ser atendida pelos nossos funcionários porque eles eram negros. Uma cliente se revoltou e reclamou com essa senhora. Eu expliquei que ela estava desrespeitando, que tinha passado dos limites, e disse que ia chamar a polícia”, afirmou Paulo Sérgio. Ainda segundo o gerente, “várias pessoas presenciaram a situação constrangedora”.

Um cliente, que chegou durante a discussão, contou que a suspeita reagiu de forma ríspida durante o atendimento. “Ela não queria comer nada que fosse tocado por negros e deu um ataque”, relatou.

Alertada de que estava cometendo o crime de racismo, a mulher ainda tentou se justificar, mas manteve o comportamento racista. A mulher foi conduzida por uma policial feminina até a viatura. Segundo o gerente, a cliente que se revoltou com a situação, junto com funcionários e advogados da delicatessen foram prestar queixa na Central de Flagrantes, no Iguatemi. Até o início da noite, tanto a suspeita quanto os denunciantes permaneciam prestando depoimento.

A assessoria da empresa divulgou nota repudiando a atitude da mulher e dando apoio aos funcionários agredidos. “Reforçamos nossa extrema ojeriza a qualquer tipo de atitude preconceituosa. Há mais de 10 anos, desde a sua inauguração, que o staff da Bonjour é formado, em sua grande maioria, de trabalhadores negros – dos quais a Bonjour tem muito orgulho em tê-los em sua equipe. Repudiamos a atitude e esperamos que a mesma não se repita: seja ela em qualquer outra circunstância”, diz o comunicado.

Fonte: Correio 24h

 

Compartilhe

Copyright © Recôncavo Notícias - O site que tem a cara da Bahia
SMART 01